Sejam todos muito bem vindos!

Sejam todos muito bem vindos!

Criadouro de Aves Domésticas Ornamentais

Olá!!!

Seja bem-vindo ao nosso BLOG. Aqui, você encontrará dados e informações a respeito das aves que criamos, além de outros assuntos inerentes ao mundo da Ornitologia, ciência que estuda as nossas amadas aves.



12 de jul de 2014

ARTIGO: O Manon do Japão

Artigo publicado na Revista Pássaros Exóticos, em 2013.

O Manon do Japão (Lonchura domestica), pertencente à Família Estrildidae e Ordem Passeriformes, é uma espécie tipicamente doméstica, não existindo em vida livre (selvagem), sendo sua origem fruto da seleção artificial, a partir de cruzamentos de algumas espécies do gênero Lonchura. Portanto, não é crime ambiental a criação do manon em cativeiro, sendo esta espécie pertencente ao anexo 01 da IN 93/98 do IBAMA, como animal da fauna doméstica, como cães e gatos.

Testes genéticos apontam como principal carga genética nos manons a espécie Lonchura striata (White-rumped mannikin), onde o padrão de desenho melânico desta espécie comparada com o manon negro-marrom confirma tal proximidade filogenética. Há algum tempo, os manons eram classificados como uma subespécie destas munias (Lonchura striata domestica). A origem da formação do manon está no extremo oriente provavelmente China e Japão, em um processo de domesticação que levou séculos, desde aproximadamente o ano de 1700.

O manon é uma espécie extremamente sociável (seu nome em inglês é society finch), sendo um fato comumente observado em criadouros que usam sistema de colônia, diversos manons dormindo na mesma caixinha. Os mesmos não apresentam problemas de agressividade perante as outras espécies. Aqui no meu criadouro, tenho um viveiro experimental, onde tenho todas as espécies domésticas juntas e reparo que os manons são pacíficos, mas não engolem “sapos”, principalmente com espécies de porte semelhante, como os mandarins.

É uma espécie bastante prolífera, se reproduzindo com extrema facilidade. Os pais exercem suas funções com muito esmero, tanto que são utilizados mundo a fora como amas-secas das demais espécies de estrildídeos. Basta visitar qualquer criadouro brasileiro que crie diamantes de gould, bavetes, sparrows e inclusive calafates (obviamente, um ou dois filhotes por casal de ama), que verás sempre os manons sendo babás dessas espécies.

Um fato interessante, é que algumas pessoas já tentaram utilizar o manon como ama-seca de filhotes de pássaros de outras famílias, como os fringilídeos (canários do reino e pintassilgos) e emberizídeos (canários da terra, coleiros e curiós). Sempre escuto relatos de insucesso em tais tentativas. A explicação técnica é o modo como cada uma das famílias ajeitam seus filhotes ao alimentá-los. No meu caso, com experiência em canários do reino, seus filhotes se erguem ao pedirem alimento à mãe, exatamente o oposto dos filhotes de manons que levam a cabeça para o lado e seus pais descem com o alimento até seus bicos. Qualquer relato de sucesso que o amigo leitor tenha ao se usar manons como amas de espécies de outras famílias de pássaros, peço que nos escreva e nos conte seu relato de sucesso.

Como as todas as espécies que criamos, os manons possuem linhagens para concursos e linhagens mais domésticas, com aves fora do padrão de exposição. As aves mais selecionadas não são tão boas criadeiras como os manons de aviários e petshops, apesar de conhecer um famosíssimo criador que desenvolveu uma linha de aves excepcionais tanto para concursos quanto para a criação, sendo inclusive amas de diamantes.

Vamos às características da espécie:

1)      Dimorfismo sexual:
Entre os manons do Japão não existem diferenças visíveis entre os sexos. Os machos vocalizam um canto de baixo volume, porém, acompanhado de um display onde ficam todos eriçados e realizam um tipo de dança. Fora a observação desde comportamento, a identificação dos sexos só poderá ser feita através da sexagem laboratorial ou do uso da genética nos acasalamentos de mutações sexo-ligadas.

2)      Cores e mutações:
Os manons são pássaros que não depositam o lipocromo em suas penas, sendo suas cores formadas somente pela presença e ausência das melaninas (eumelanina e pheomelanina), passando pelo gradiente de oxidação das mesmas (negro-marrom à moka à canela) e a perda da pheomelanina (negro-marrom à negro-cinza).
            
Tendo como a cor original (se assim posso dizer) o negro-marrom, existem aproximadamente nove mutações de manons, a seguir: moka, canela, cinza, pastel, fulvo, albino, arlequim/branco, pérola e o topete. As cores são formadas pelas combinações destas mutações. Na Tabela 01 encontram-se a genética das mutações existentes para o manon.

Tabela 01               Genética das mutações em Lonchura domestica.
Cor
Genética
Negro-marrom
Dominante
Moka
Autossômico recessivo para o Negro e dominante para o canela.
Canela
Autossômico recessivo
Fator Cinza
Autossômico recessivo
Arlequim
Dominância parcial
Branco
Dominância parcial à seleção do arlequim
Albino
Autossômico recessivo
Pastel
Autossômico recessivo
Fulvo
Sexo-ligado
Pérola
Sexo-ligado
Topete
Dominante

Existem mutações que são letais, e a mutação topete é uma dessas, segundo a literatura de criação de pássaros em cativeiro. Tal característica significa que quando um filhote vem a ter o gene letal em homozigose, isto é, oriundo do pai e da mãe, o mesmo vem a falecer ainda no período embrionário. De todos os testes que fiz em relação a estes fatores ditos letais, o único que observei embriões mortos foi quando acasalei dois manons topetudos entre si.

A Ordem Brasileira de Juízes de Ornitologia (OBJO) definiu 20 classes de concurso para o manon do Japão, a seguir:


EX30101 Negro-marrom
EX30102 Moka
EX30103 Canela
EX30104 Negro-cinza
EX30105 Moka-cinza
EX30106 Canela-cinza
EX30107 Negro-marrom Pastel
EX30108 Moka Pastel
EX30109 Canela Pastel
EX30110 Negro-cinza Pastel
EX30111 Mok-cinza Pastel
EX30112 Canela-cinza Pastel
EX30113 Fulvo
EX30114 Fulvo-cinza
EX30115 Branco
EX30116 Albino
EX30117 Arlequim (Negro/Moka/Tricolor)
EX30118 Arlequim Canela
EX30119 Topete e Franja
EX30120 Outras mutações já definidas


3)      Alimentação:
Os manons são pássaros granívoros, logo, se alimentam de grãos. A mistura para os manons deverá ser a mesma para as demais espécies de estrildídios, como diamantes de gould e mandarins, isto é, alpiste e milho alvo, eu utilizo na proporção de uma parte de alpiste para duas de milho alvo. Deverá ser servido aos pássaros porções de farinhada ou papa de ovo, principalmente no período de reprodução, quando houver filhotes. Os meus manons também comem jiló, maçã e agrião.

4)      Reprodução:
É uma espécie bastante prolífera e precoce, mas devemos ter o cuidado de não reproduzi-los com idade inferior a um ano. Criam bem em gaiolas criadeiras para canários, do tipo argentina, mas já existem no mercado criadeiras típicas para pássaros exóticos. Utilizam ninho do tipo caixinha ou mesmo ninho de canário do reino (eu mesmo só utilizo ninhos taça), com postura de até seis ovos e com 13 a 15 dias de incubação. Aos trinta dias os filhotes já poderão ser direcionados às voadeiras. Se deixar, os manons criam o ano inteiro, mas recomenda-se a criação no período de março a dezembro, com no máximo três posturas por casal.

Já tive um caso em meu criadouro em que após uma noite de temporal violento, uma das minhas fêmeas desapareceu da gaiola de cria, deixando macho e cinco ovos para trás. Resultado, o macho deu conta do choco e criou todos os filhotes (brancos e arlequins, com e sem topete) sozinho.

No meu viveiro experimental, os manons ao invés de utilizarem os ninhos taça dos canários ou as caixinhas, preferiram pegar o material que ofereci para a arte final de “decoração” dos ninhos já ofertados e decidiram confeccionar os seus próprios ninhos com palha de milho e capim. Os ninhos foram feitos no chão do viveiro, um em cada canto. Alguns foram feitos em forma de taça outros em forma de cesto fechado. Vamos aguardar os resultados.

Recomendo a todos a visitarem criadores e ao Campeonato Brasileiro de Ornitologia 1ª Etapa, onde estarão expostos os melhores manons do Japão criados no Brasil.

Um grande abraço e até a próxima!!!
Rodrigo Guerra
Biólogo & Criador de Aves Domésticas

7 comentários:

  1. Poderia me indicar um criador que possa me fornecer manons padrão exposição aqui no Rio.
    Grato
    Fabiano Aragão - ACPERJ&BR ML014
    criadouroaragao@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabiano, não conheço. Eu devo tirar alguns filhotes com desenho padrão no segundo semestre de 2016.

      Excluir
    2. Rodrigo, voce cria degolado? Tem algo para dispor?
      meu email tambajunior@gmail.com
      obrigado, abraços.

      Excluir
  2. Como forma casal de manon, se eu não sei quem
    é macho ou femea ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André, separe cada manon em uma gaiola. Geralmente em dez minutos no máximo o macho começa a cantar.
      Separe-os. Os que não contarem poderão ser fêmeas m daí junte o casal e aguarde. Se demorar a surgir um ovo, o calado tb é macho.
      Eu uso este método e na maioria das vezes deu certo.
      Mas já juntei dois machos.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir